Na ilha de São Tomé, uma vila inteira está se mobilizando para criar um chocolate excepcional.

Localizada no oeste do continente africano, junto ao equador, a ilha de São Tomé e Príncipe é um arquipélago situado no centro do mundo. A riqueza do solo vulcânico e o clima local, fazem dele um terroir único que permite produzir um dos melhores cacaus do mundo.

 

As condições naturais permitem que as cápsulas e os seus grãos adquiram uma maturidade harmoniosa. A Ilha de São Tomé e Principe é um local privilegiado, onde o solo, o sol e a vegetação ocupam um lugar importante, e resultam em um cacau típico, em vários aspectos.

Como para um ótimo vinho, o “terroir” é um elemento-chave no design do chocolate. Sem o raro e natural ecossistema de São Tomé, nada seria possível, e é revelado graças ao know-how ancestral dos habitantes da vila e ao trabalho da equipa de Diogo Vaz. É necessário seleccionar as variedades, trabalhar as misturas, adaptar as técnicas e definir as condições de cultivo. Este trabalho é único.

DSC_2850
DSC_2850

press to zoom
ESCOLA DIOGO VAZ
ESCOLA DIOGO VAZ

press to zoom
DSC_3681
DSC_3681

press to zoom
DSC_2850
DSC_2850

press to zoom
1/18

Para além da criação de actividade económica e do reforço do know-how dos aldeões, todos os anos :

1 • Desenvolvemos a educação das crianças: construção ou renovação de escolas (300 alunos), criação de creches, financiamento da escolaridade, estágios, transporte escolar, etc.

2 • Oferecemos formação profissional e aulas de condução (escola de condução).

3 • Cuidamos do acompanhamento médico dos colaboradores: médico disponível para os colaboradores em caso de doença ou acidente de trabalho e criação de um serviço de ambulância.

4 • Aderimos estritamente a uma abordagem ambiental: auto-suficiência alimentar, recolha e reciclagem de resíduos, doação de sementes aos residentes, hortas partilhadas, etc.

5 • Renovamos edifícios históricos e reconstruímos edifícios dentro da aldeia para melhorar as condições de vida: água potável, saneamento, etc.

6 • Criamos ajudas sociais e económicas para os aldeões: abonos de família, reforma, programa de integração das mulheres, microcrédito.

Para criar o chocolate Diogo Vaz, toda uma aldeia deve ser mobilizada.